terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

National Kid e as ninfas de Urânus

Décimo Capítulo
__________________________

Nos episódios anteriores..

Episódio 1, Episódio 2, Episódio 3, Episódio 4, Episódio 5, Episódio 6, Episódio 7, Episódio 8, Episódio 9.


Quando National Kid deixou a Terra, seus alunos formaram a fraternidade. Oriundos de um enclave alienígena, responsável pela guarda de segredos intergalácticos, foram instados a treinar, nos altos cumes japoneses, a antiga arte do Ninjutsu. A filosofia de vida dos ninjas, especializados em infiltração (armadilhas, armas ocultas, inteligência), era chamada de Ninpo ou Ninjutsu, envolvendo a adaptação, a liberdade e a perseverança férrea como princípios basilares. Além das espadas, kawanagas e shurikens, as conhecidas "estrelas ninja", os adeptos utilizavam também vários outros equipamentos e armas, que eram importantes recursos em suas missões. O Shinobi Shozoku, ou uniforme ninja, tinha por função camuflar o ninja no ambiente, de modo a facilitar a sua "invisibilidade". O membro da fraternidade possuía treinamentos além do difundido pela sagrada arte Ninjutsu. Eram capacitados a se misturar em qualquer ambiente por mais hostil que fosse.

No spa naturista praticamente nenhum dos recursos poderia ser utilizado. Mas graças à tecnologia, poderiam, pelo menos, desempenhar a tarefa a qual tinham se proposto, encontrar o secreto livro vermelho, escondido pela mama-san. Foi por seu extenuante treinamento que assimilaram bem a nudez. Introduzir objetos não era o principal problema. O maior deles era controlar o prazer intrínseco que certos membros tinham com essa ação.

Eulália, introduzindo dois sensores em seu corpo, entrou em convulsões ininterruptas. Contorcia-se em êxtase, o que a tornava inútil. “Eulália troque de lugar com Steinberg”, disse Onofre. “Isso”, completou um esperançoso Steinberg. “Vão tomar no cu, suas bichas”, retrucou Eulália, “ninguém vai tirar essa tarefa de mim”. Onofre aplicou-lhe uma bofetada para acalmá-la, o que a fez ter um orgasmo avassalador. Sem convencê-la saíram a campo e começaram as sondagens. Eulália seguia amparando-se nas paredes, encharcada, chamando a atenção dos outros hóspedes. Um casal, em especial, se aproximou dela. Olhos ávidos e movimentos sensuais sincronizados, focados em sua presa oriental. Eulália tentou resistir à tentação, mas em 3 segundos estava com eles no banheiro do lobby.

Nos montes Urais, Jenna e suas ninfas anais preparavam-se. Sabiam onde poderiam encontrar seus inimigos, conheciam o lugar, e estavam dispostas a invadir. Jenna meditava, sozinha, enquanto era atendida por Giabra, o gigantesco dog alemão. Percebeu, no fundo do seu ser, que um ataque ostensivo traria mais problemas do que vantagens. Deveriam aguardar os acontecimentos e aí sim roubar o valioso livro. Juntou quatro de suas comandadas e, após instruí-las cuidadosamente, as enviou numa nave em direção ao Wyoming.


Onofre e Godofredo se separaram. Foram explorar os recantos distantes do lugar. Além do prédio principal, onde estavam hospedados, o Spa contava com vários chalés espalhados pelo enorme terreno. Piscinas, quadras de jogos coletivos, saunas, campo de golfe, uma pequena floresta natural, a infra-estrutura era gigantesca. E estava lotado. A cada passo grupos joviais acenavam para que se juntassem a eles. Talvez o disfarce de ricos empresários estivesse estimulando tamanha cordialidade. Apesar do incômodo produzido pelo sensor, Onofre cumprimentava rapidamente cada um dos grupos. Notou que as mulheres eram belíssimas, esculturais mesmo. Enquanto os homens destoavam. “Preciso de um mergulho na piscina”, pensou. Logo estava acalmando-se nas águas geladas, propositadamente. Pelo ponto auricular, à prova de água, recebia informações sobre o andamento da sondagem. Nada até agora.


Duas horas se passaram, Eulália, completamente saciada, saiu do banheiro, trôpega. Já acostumada aos sensores conseguiu manter a linha e iniciou também seu passeio pelo local. Resolveu procurar no conjunto de saunas. Lá, ia entrando em cada um dos cubículos. O calor do ambiente, somado ao calor interior, a deixava completamente arrepiada, tesa. A cada momento interrompia sua busca, tomada por um furor uterino incontrolável.

Ao entardecer, depois de um exaustivo dia de buscas infrutíferas, Onofre e seus amigos retornaram ao QG. Encontraram um Steinberg indignado e muito frustrado. Depois de se livrarem dos sensores e tomarem banho resolveram jantar. Enquanto esperavam os pratos, foram surpreendidos pela entrada de 4 das mulheres mais maravilhosas já vistas. Uma exclamação coletiva, de homens e mulheres, acompanhou o desfile daqueles magníficos exemplares de fêmeas, no cio.

O jantar estava apenas começando e mal sabiam o que iria acontecer antes do raiar do dia...

Será que Onofre e seus amigos conseguirão descobrir o livro vermelho a tempo? Irão as cruéis ninfas anais destruir as chances de uma Terra feliz e pacífica? Será que Eulália irá desfrutar de todos no spa?


____________________________
continua

3 Comentários:

dudv disse...

Estas nindas de Urânos é de tirar o fôlego.

Naeno disse...

Uma bela estória, lendária idéia destes tempos, aplicáveis ao passado e ao presente. No futuro serão lembrados todos como de um passado desembocador além do presente.

Um beijo
Naeno

Paulo R. Diesel disse...

Prometo ajudar a encontar o livro, mas primeiro vou ler todos os episódios.

  ©A Casseta do Cabral. Template by layla

TOPO  

Clicky Web Analytics