quinta-feira, 24 de abril de 2008

National kid e as ninfas de Urânus

Décimo Quarto Capítulo
__________________________

Nos episódios anteriores..

Episódio 1, Episódio 2, Episódio 3, Episódio 4, Episódio 5, Episódio 6, Episódio 7, Episódio 8, Episódio 9, Episódio 10, Episódio 11, Episódio 12, Episódio 13.

O universo é ilimitado, assim como são ilimitadas as formas sanguinárias de conquistar o espaço, a fronteira final. Muitas civilizações sucumbiram ao longo de eras de guerras e escaramuças. A mola motora, o dinheiro e o poder absoluto, continuamente forneciam a energia necessária. E tudo isso se transformou em contas remuneradas em um planeta aparentemente pacífico.
A degradação das instituições sociais de Urânus era natural. Os poderosos são o chamariz para todo o tipo de atividades escusas. A prostituição e jogatina floresceram. O tráfico de drogas, como a esponja púrpura zarthaniana, complementou o quadro degradante. O povo uraniano foi apenas mais um, seduzido pelo falacioso canto de sereia da prosperidade. A putaria se instalou em todos os níveis do poder. Orgias eram organizadas para facilitar o acesso aos altos escalões. Nada, nem ninguém, impediria a pesada roda da maldade de seguir seu rumo.

Apenas uns poucos viraram-se contra esse estado de coisas. Enviaram para um lugar distante o secreto livro vermelho. Lá estavam todas as contas bancárias intergalácticas, valores, nomes, aplicações. Revelava os locais onde estariam esses vastíssimos recursos. Lá estava a redenção das famílias de bem. A luta estava começando, apenas. Mas uma grande vitória obtida pelo paladino da justiça, National Kid, dera o alento e força necessários para que um grande plano de reconquista fosse levado a cabo.

Envolvendo antigas raças, de galáxias distantes, todos motivados pela vitória do bem sobre o mal, preparavam-se.

Onofre e seus amigos estavam solenes. Finalmente iriam abrir o secreto livro vermelho. Onde imaginavam estariam instruções, detalhadas, para ajudá-los a enfrentar essa ameaça inédita.

Kira, a ninfa anal, estava indócil. Precisava por as mãos naquele livro, custasse o que custasse. Suas companheiras não estavam em condições. Enviou uma mensagem para sua líder, Jenna, mas sabia que a chegada delas ainda iria demorar. Tempo necessário para que aqueles heróis imbecilóides escapassem. Precisava criar uma distração. Subitamente, teve a luminosa idéia de atear fogo nas cortinas. Ao mesmo tempo, ativou seu dispositivo sub-sônico, o mesmo que desencadeara um desejo incontrolável de experiências homossexuais em humanos da terra.

Sem aviso, uma avalanche de corpos desnudos invadiu o quarto, que servia de quartel-general. X, friamente, começou a socar os espadaúdos e vigorosos que se aproximavam pelas suas costas. Steinberg não teve tanta sorte. Ainda combalido, pelos ferimentos causados pelo braço enfiado rabo adentro, não foi páreo para um gigantesco deus nórdico que adentrou-o, novamente, e com força. Seu uivo de dor encheu o quarto. Enquanto isso, Eulália, em polvorosa, dava gritinhos de mais puro êxtase, pulou sobre um grupo de 15 mulheres que tentavam dominá-la. Lasciva, foi submetida as mais luxuriantes variedades do sexo lésbico. Onofre e Godofredo lutavam arduamente contra as hostes enlouquecidas. Sem perder o livro de vista.

Kira aproveitou-se de um descuido dos valentes defensores e surrupiou o livro. Sentindo-se vitoriosa correu para seu veículo de transporte, arrastando, nesse meio tempo, suas companheiras anais. Mas não contava com a sagacidade do senhor X. Ele socou-a violentamente. Sem titubeios distribuiu socos e pontapés entre as ninfas até desacordá-las. Era chegada a hora de dar um fim naquelas vilãs enfurecidas.

Onofre e Godofredo, arrastando uma esbravejante Eulália e um combalido Steinberg, juntaram-se ao senhor X. “Para o avião”, disse ele. Eulália ainda quis ficar para trás, dizendo que era necessário alguém para defender a retirada. “Não deixamos ninguém para trás”, retrucou Onofre. Puta da vida, Eulália embarcou, suspirando.

Deixaram o spa em louca disparada. Embarcaram na aeronave da fraternidade e, agora, sentiam-se protegidos para ler o secreto livro vermelho.

Que revelações estariam escondidas no livro? Teriam mesmo se livrado das perversas ninfas anais? Os rebeldes conseguiriam a vitória? Afinal, quem era esse senhor X?


____________________________
continua

5 Comentários:

Paulo R. Diesel disse...

Tô achando que este livro não tem conteúdo.É so capa...

Tâmara disse...

Nossa ..esse texto me lembrou um filme que eu gosto muito Sun city: A cidade do pecado. Se tiver oportunidade veja....

Muito bom...

Tâmara disse...

Texto forte...
Cenario riquissimo de detalhes...
Possibilidade de cenas reais...
Hummm...acho que vou voltar aqui mais vezes....

Cris disse...

Virschi, Rayol..

Terei de voltar e ler tudo.
Bj

Poisongirl disse...

Ah se tem algo que preste nesse livro não sei mas que a saga até ele tem rendido , ah isso tem!

  ©A Casseta do Cabral. Template by layla

TOPO  

Clicky Web Analytics