segunda-feira, 17 de março de 2008

National Kid e as ninfas de Urânus

Décimo Segundo Capítulo
__________________________

Nos episódios anteriores..

Episódio 1, Episódio 2, Episódio 3, Episódio 4, Episódio 5, Episódio 6, Episódio 7, Episódio 8, Episódio 9, Episódio 10, Episódio 11.

A tortura era umas das técnicas mais hediondas inventadas no Universo. Várias eram as formas criadas para extrair informações, por seres espalhados pelas galáxias. Desde o simples eletro-choque até o espancamento nas partes íntimas, passando pela humilhação psicológica. Cada povo, em cada planeta, tinha aprimorado uma técnica eficaz. Em algumas civilizações virara até um hábito, conhecido também como BDSM. Não era diferente com o povo uraniano. Zandor, o imperador uraniano, e seu general e amante Zorg, gostavam de usar poderosos e gigantescos artefatos, introduzidos nas cavidades de suas vítimas. Até o povo da estrela Alfa-Centauri era chegado em uma torturazinha.



O misterioso senhor X contemplava as 4 terroristas. Todas nuas, amarradas, vendadas. Com um chicote elétrico ia tocando partes dos corpos desnudos. Nucas, seios, axilas, coxas. A cada choque um gemido. Mal sabia o senhor X que elas eram versadas na arte da resistência à dor, transformando esse sofrimento físico em puro prazer. O gotejar entre as pernas das prisioneiras foi o alerta que não adiantaria nada fazê-las sofrer. Tentou algo extremo. Trazendo um gigantesco corcel negro, fez que ele as sodomizasse, uma a uma. Já acostumadas com o gigantesco falo de Giabra, o gigantesco dog alemão, quase sorriram. Com raiva, arremessou longe todos os instrumentos de tortura. Após o ímpeto de fúria precisava se acalmar, mas precisava antes arrumar a bagunça. Escolheu uma das prisioneiras para a tarefa. “A morte é melhor do que isso”, exclamou, apavorada, a escolhida. Percebendo uma luz no fim do túnel, o senhor X designou a cada uma delas uma tarefa doméstica. Enquanto uma arrumava a bagunça, outra foi para o tanque de lavar roupa, a terceira para a cozinha e a quarta iria espanar os móveis. Em estado de puro pavor, elas começaram a gemer. “Contem-me o que sabem”, perguntou mais uma vez. Aos borbotões, começaram todas elas, a falar, ao mesmo tempo, cada uma na esperança de se ver livre de tamanha humilhação. Contaram sobre Urânus, sobre o plano diabólico para recuperar as informações financeiras e onde era o esconderijo terraniano das ninfas anais.


Onofre e seus amigos estavam no quartel-general, o quarto no spa. Remendaram, como puderam, o estrago anal de Steinberg, causado pelo braço sodomita. As marcas de Eulália foram tratadas com arnica. Aguardavam, ansiosos, o chamado do misterioso senhor X. Onofre e Godofredo saíram novamente em busca do livro vermelho secreto. Encontraram muitos hóspedes ainda atarantados com a bacanal. Alguns choravam de vergonha, outros de saudades. Dirigiram-se a uma instalação ainda não visitada. Um local aprazível, em meio à mata, onde encontraram diversas banheiras de o-furô. Logo receberam um sinal, bipado no receptor auricular. Era Eulália. Os sensores haviam detectado algo por ali. Sem mais delongas começaram a esvaziar as banheiras.

Jenna estava apreensiva. Não tinha recebido nenhum contato de sua equipe desde que chegaram no spa. Acariciando Giabra, o gigantesco dog alemão, pensava no que fazer. Precisava saber se o ataque havia sido bem sucedido. Chamando Kira, deu-lhe a missão de penetrar no spa, sem ser vista, e monitorar os acontecimentos. Imediatamente ela partiu.

Onofre e Godofredo corriam eufóricos, com o secreto livro vermelho em mãos. Não perceberam a linda mulher sentada no lobby do spa. Enquanto isso, o senhor X, trajado, caminhava célere ao encontro com os 4 amigos. Também não percebeu a estonteante mulher. Percebendo que a missão havia sido um retumbante fracasso, Kira enviou uma mensagem para Jenna. E iria tentar descobrir o que estava havendo. Usando o sensor intra-vaginal, procurou suas colegas. As encontrou inertes, balbuciando palavras desconexas. Levando-as a um lugar seguro retornou ao spa. Precisava penetrar. Mais do que nunca a penetração era necessária.


Estavam os 5 reunidos, conversavam em voz baixa. X relatou o que descobrira. Onofre abriu, solenemente, o secreto livro vermelho...

Kira conseguiria penetrar? Steinberg conseguiria recuperar suas funções? Eulália encontraria outro grupo de mulheres dispostas? Onde estariam as prisioneiras? Jenna atacaria com todas as suas forças?




____________________________
continua

5 Comentários:

tita coelho disse...

fico tentando entender de onde sai tanta asneira rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs
Essa história deveria virar filme!
Estou anciosa esperando pela história dos trigêmeos!
beijos rsrsrsrsrs

dudv disse...

Sensacional.

tombo disse...

os sonhos, n passam de sonhos
:(

Ana Pallito disse...

Meninas poderosas cadê o Esquartejador?

elisabete cunha disse...

RICARDO

Que imaginação fantástica!

uauuuuuuuuuuuuuuuu

  ©A Casseta do Cabral. Template by layla

TOPO  

Clicky Web Analytics